Bolsonaro diz que tentará retirar de circulação placas de carro do Mercosul

Antecipará vacinas de gripe no Amazonas; Cita acordos a serem firmados com EUA; Critica reportagem da Folha de S. Paulo.

0
58



Foto: O presidente Jair Bolsonaro em live no Facebook acompanhado dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores, esq.) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde, dir.). Reprodução/Facebook Jair Messias Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro disse, em live no Facebook, nesta quinta-feira (14), que pretende retirar as placas de carro do Mercosul de circulação.

“Vamos, com o nosso ministro Tarcísio [Freitas, de Infraestrutura], ver se a gente consegue anular a placa [de trânsito] do Mercosul. É um constrangimento, uma despesa a mais”, afirmou.

Ele estava acompanhado dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde). Anunciou que mudará das 18h30min para as 19h o horário da próxima live – na quinta-feira da próxima semana (21).

Vacinação antecipada no Amazonas: 

Junto a Mandetta, Bolsonaro anunciou a antecipação da campanha de vacinação contra gripe no Estado do Amazonas de 15 de abril para a segunda-feira (18).

“Em 30 dias vamos começar uma vacinação em massa de gripe. Mas com um problema do Amazonas, a partir de segunda-feira (18), 1 milhão de novas vacinas serão direcionadas para Manaus”, disse o presidente.

Segundo Mandetta, gestantes e crianças serão as primeiras a serem vacinadas. Depois abre-se para o restante.

Críticas à Folha de São Paulo:

Como tem sido praxe, Bolsonaro dedicou um tempo para criticar a imprensa. O alvo escolhido: Folha de S. Paulo. Bolsonaro disse ser “fake news” que a família dele tenha negócios com bananas em Valdo Ribeira, São Paulo.

Criticou texto de Jânio de Freitas publicado no domingo (10). Nele, o jornalista afirmou que a banana equatoriana é de menor preço e maior qualidade. Disse que Bolsonaro prometeu ao sobrinho retirar o Equador da jogada.

Bolsonaro disse que falou sobre o assunto em 2014. Citou o fato de o Equador não ter fronteira com o Brasil como um complicador para as frutas chegarem com qualidade.

Viagem aos EUA no domingo: 

O presidente viaja junto a seis ministros aos EUA no domingo (17). Voltou a falar em firmar acordos.

[Queremos] Fazer essa aproximação com os Estados Unidos. Os Estados Unidos podem ser um grande parceiro”, afirmou.

O chanceler ressaltou o acordo na base de Alcântara. “O Brasil pode ser o principal ponto de satélites em bases comerciais”, disse Araújo. Disse que a “parceria” com os EUA foi “negligenciada” nos últimos anos.

“Desde o  governo Lula tentamos”, afirmou Bolsonaro. Para ele, a questão “ideológica” entrou na frente.

O presidente ainda citou as viagens ao Chile e a Israel, outros dois países aos quais o governo brasileiro tem se alinhado. “Dia seguinte [ao fim da viagem aos EUA, em 20 de março] partiremos para o Chile. A gente volta, descansa uns 2 ou 3 dias, e depois vai para Israel”, afirmou.

Passaporte com novo brasão pronto: 

De acordo com Ernesto Araújo, “já está pronto” o passaporte com o novo brasão.

O Que já havia dito Bolsonaro:  

Na última live feita em uma rede social, Bolsonaro defendeu sua fala de que a democracia depende dos militares, criticou cartilhas para adolescentes com conteúdo de educação sexual, prometeu acabar com lombadas eletrônicas e contestou a mídia sobre gastos com cartão corporativo.

Ao promover mais um vídeo ao vivo na rede social, Bolsonaro remete a uma fala da época da transição de governo. Em dezembro de 2018, o então presidente eleito disse que faria uma live por semana.

SEM COMENTÁRIO

Deixe seu comentário