Segunda visita do MP a Parque de Diversões em Sr. do Bonfim constatou brinquedos sem autorização em funcionamento

0
1202


A equipe do Ministério Público estadual constatou na noite de sexta-feira, dia 21, em mais uma ronda de fiscalização realizada no Espaço Gonzagão, que estavam em funcionamento no Parque de Diversões brinquedos ainda não autorizados pelo Corpo de Bombeiros (CB), pois não constam do projeto apresentado ao órgão. Também foram identificadas, no Parque e na arena da festa, barracas sem o selo de inspeção da Vigilância Sanitária. Os promotores de Justiça Aline Curvelo, Daniele Cochrane, Rodolfo De La Fuente e Rui Gomes Júnior entregaram recomendação à representante da empresa Lider Park Empreendimentos e Diversões Ltda., recomendando que apenas fossem operados os brinquedos devidamente listados no projeto.

Segundo a recomendação, o documento com novo leiaute dos brinquedos entregue ontem ao MP não substitui o processo de autorização realizado pelo CB. Em razão disso, foi solicitado durante a ronda que fossem desligados os brinquedos irregulares, a exemplo do Kamikaze e do Surf. A solicitação foi prontamente atendida. Na primeira inspeção realizado pelo MP no dia 20, foi constatado que 13 brinquedos não constavam do projeto apresentado ao CB e, portanto, não aprovados pelo órgão.

No Parque, também foram identificadas nove barracas de alimentos sem o selo de inspeção da Vigilância Sanitária, o mesmo acontecendo com os estabelecimentos localizados na arena da festa. A Vigilância Sanitária estava presente no local e informou que todas as barracas foram inspecionadas e as que não atenderam aos critérios sanitários não receberam selo, sendo entregue aos comerciantes documento especificando as irregularidades que deveriam ser sanadas. Em caso de reincidência, as barracas não receberão autorização para funcionarem no próximo ano.

Hotéis

Os promotores de Justiça também fizeram visitas a alguns hotéis da cidade, para verificar como os estabelecimentos hoteleiros estão procedendo quanto à hospedagem de crianças e adolescentes nos hotéis. O objetivo foi saber se havia hóspedes menores de idade e se estavam acompanhados dos responsáveis legais, com a devida documentação.

Foi realizada ainda uma nova visita à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para checar a existência de ocorrências graves e o funcionamento do posto de saúde. O movimento na Unidade estava tranquilo e nenhuma irregularidade foi constatada.​

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA